FONPLATA

Domingo, 22 Octubre 2017 13:29

Diabetes, a silenciosa ameaça contra o desenvolvimento

Se você sente muita sede, vontade constante de urinar, sonolência, formigamento nas mãos e nos pés, visão turva, cuidado! Você pode estar com diabetes! A cada ano o número de pessoas com esta doença aumenta.

Hoje é o Dia Mundial da Diabetes. A data foi criada para conscientizar as pessoas a reconhecer os sintomas e para orientar os diabéticos sobre os métodos e tratamentos para esta doença que não tem cura, e que pode matar se não for tratada adequadamente.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em todo o mundo são mais de 400 milhões de pessoas com esta patologia, o que a eleva ao posto de pandemia mundial. Especialistas garantem que este número é ainda maior. A diabetes é silenciosa, ou seja, os sintomas não são visíveis e por isso muitas pessoas não sabem que têm a doença.

Ela aparece quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou quando organismo não utiliza adequadamente a insulina que produz.

Os números de casos são alarmantes e não param de subir. O Atlas da Diabetes aponta que até o ano 2040 o número de diabéticos vai aumentar 65% na América do Sul e na América Central. Além disso, a cada seis segundos uma pessoa morre de diabetes em todo o mundo, número equivalente a cinco milhões de óbitos por ano. Entre cada 11 adultos um tem diabetes.

Quando é congênita ou do tipo 1 a doença, em geral, afeta crianças e corresponde a cerca de 10% dos casos. Já a do tipo 2, também chamada mellitus, é responsável por 90% dos casos e se desenvolve de forma lenta, geralmente, em pessoas sedentárias de meia-idade e com má alimentação. Mais de 90% dos casos são do tipo 2 e costumam estar relacionados a casos de excesso de peso e ao sedentarismo.

Esta forma silenciosa do organismo lutar contra o estresse do dia a dia pode ser devastadora. A diabetes causa cegueira e às vezes é preciso fazer amputações, entre outros problemas caso não seja tratada a tempo.

Diabetes versus desenvolvimento

Outras consequências da diabetes são os prejuízos pessoais e sociais. A doença também é um entrave ao desenvolvimento. Quem é diabético precisa investir parte do salário em remédios e tratamentos. Sem contar na redução da expectativa de vida e as limitações impostas tanto àqueles que têm a doença como aos seus familiares. Este é o motivo da redução de poder aquisitivo e da limitação da produção de bens.

Esta doença gera altos custos em serviços de saúde. A diabetes é um verdadeiro limitante para o crescimento pessoal e social, por isso a prevenção é tão importante.

 

Situação no nosso continente

Na Argentina, pelo menos 2,5 milhões de pessoas convivem com a doença. De acordo com a OMS, até 2020 este número pode subir para quatro milhões. Da mesma forma que em outros países, cerca de 50% dos argentinos com diabetes desconhecem ter a doença e por isso não fazem tratamento.

Já na Bolívia, nos últimos anos o número de casos de diabetes subiu entre 30 e 40%. De acordo com o Programa Nacional de Doenças Não Transmissíveis do Ministério da Saúde, em 2011 foram registrados 64 mil novos casos, número considerável para um país com pouco mais de 10 milhões de habitantes. Este número tende a aumentar por causa do estilo de vida e pelos hábitos alimentares.   

De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), pelo menos 12 milhões de brasileiros têm diabetes, o equivalente a 8% da população.

Nos últimos anos no Paraguai a população com diabetes subiu para 10%. Pelo menos 90% destes novos casos são do tipo 2, a mellitus, e podiam ter sido evitados. Os motivos do desenvolvimento da doença se repetem: má alimentação e sedentarismo.

Os números também são altos no Uruguai, onde 8,2% da população padecem da doença. Segundo a Associação de Diabetes do Uruguai (ADU), este número pode ser ainda maior.

De acordo com a OMS, entre 20% e 40% dos latino-americanos são sedentários ou não realizam suficiente atividade física diariamente. Este número é ainda maior entre jovens de 11 a 17 anos. Dentro desta faixa etária, entre 78% e 91% não fazem exercícios.

Uma dieta rica em fibras, com baixo consumo de carboidratos e açúcar e a prática de exercícios físicos de forma regular podem ajudar a evitar a doença. No México, por exemplo, o governo decidiu aumentar o imposto aos refrigerantes, uma medida drástica para frear a ingestão de doces e assim reduzir o aumento de obesos e de diabéticos. 

Os pesquisadores alertam que perder peso pode reduzir o risco de diabetes tipo 2 em cerca de 58% e a prática de uma atividade física regular em cerca de 64%.

Sede

Teléfono +591 3 315 9400
Fax +591 3 3371713
Casilla Postal 2690
Avenida San Martín #155, barrio Equipetrol, edificio Ambassador Business Center Piso 3
Santa Cruz de la Sierra, Bolivia

Oficina de Seguimiento de Proyectos
Teléfonos +595 21 453 320
Avenida Mariscal López Nº 957
Asunción, Paraguay

Siguenos

Contacto Linkedin youtube Google+